O dito da vez


Cquote1.svg

A explosiva descoberta
Ainda me atordoa.
Estou cego e vejo.
Arranco os olhos e vejo

Cquote2.svg
Carlos Drummond de Andrad

18 de fev de 2010

O pensamento anarquista*




No decorrer da história da humanidade o significado da palavra anarquismo foi associado ao caos e a desordem. Suas idéias encontram-se “esquecidas”, devido à falta de conhecimento, proveniente de preconceitos criados ao redor da palavra anarquismo, distorcido por conceitos do senso comum, imaginação popular e, principalmente, devido às campanhas ideológicas “por graça da maquina de fazer ignorantes, manobrada por certa “nata” da sociedade, patrocinada pelo Estado e pela Igreja (RODRIGUES, 1988, p11).

Até mesmo nos dicionários e enciclopédias o conceito sobre a anarquia é assimilado a desordem e baderna, nos autores mais generosos encontramos definições como falta de governo, e outros nem ao menos se dão ao trabalho de colocar este termo em seus livros.
Compreendendo a palavra anarquia em sua origem grega segundo Rodrigues “na – não; arkê – governo. Equivale à ausência de governo constituído, mas não é desordem (1988, p. 14)”.

Pedro Kropoktine, define anarquia como “o próximo e mais alto grau da evolução humana (RODRIGUES, 1988, p. 13)”, pois, numa sociedade organizada de forma anarquista, o homem não será limitado na sua capacidade de trabalho produtivo por um monopólio capitalista apoiado pelo Estado, nem se limitará por medo do castigo (a repressão policial), ou por obediência a entidade metafísica (a religião). O homem agirá seguindo a sua própria razão/educação, podendo alcançar o desenvolvimento pleno de todas a suas potencialidades, intelectuais, artísticas e morais, sem ser obrigado a trabalhar para o beneficio de poucos. Poderia assim alcançar a plena individualização que não é possível sob o sistema de individualismo capitalista atual.

Os autores anarquistas consideram, além disso, que a sua concepção não é uma utopia. Entendemos que a utopia tem um papel importante no processo de transformação, quando é compreendida como aquilo que não tem lugar ainda, mas que pode vir a ter, e, em especial desejamos que tenha. Neste sentido, tem uma função de denuncia de uma determinada situação e de anuncio de possibilidade de uma outra, a ser construída; portanto, é criativa e “subversiva”.

Esta filosofia de vida baseada na liberdade que acredita em um mundo onde a beleza, franqueza, lealdade, justiça e fraternidade são respeitadas para uma vida saudável. Logo, para o anarquismo o desenvolvimento do ser humano de uma forma livre e plena é fundamental para que esta “utopia” torne-se real.  km

Nenhum comentário:

Postar um comentário

dizeres

JUSTIÇA

JUSTIÇA

Agora uma fabulazinha

Me falaram sobre uma floresta distante onde uma história triste aconteceu no tempo em que os pássaros falavam, os urubus bichos altivos mas sem dotes para o canto resolveram mesmo contra a natureza que havia de se tornar grandes cantores.
Abriram escolas e importaram professores, aprenderam


mi

sol

si
Encomendaram diplomas e combinaram provas entre si para escolher quais deles passariam a mandar nos demais a partir daí criaram concursos, inventaram títulos pomposos, cada urubuzinho aprendiz sonhava um dia se tornar um ilustre urubu titular afim de ser chamado por vossa excelência.
Passaram-se décadas arte que a patética harmonia dos urubus maestros foi abalada com a invasão da floresta por canários tagarelas, que faziam coro com periquitos festivos e serenatas com sabiás. Os velhos urubus encrespados entortaram o bico e convocaram canários e periquitos para um rigoroso inquérito:
cade os documentos de seus concursos?
Indagaram, e os pobres passarinhos se olharam assustados... Nunca haviam freqüentado escola de canto pois o canto nascera com eles.
Seu canto era tão natural que nunca se preocuparam em provar que sabiam cantar naturalmente cantavam
Não, não, não assim não pode, cantar sem os documentos devidos é um desrespeito a ordem, bradaram os urubus.
E em um nisoro expulsaram da floresta os inofensivos passarinhos que ousavam cantar sem alvarás...

Moral da história: em terra de urubus diplomados não se ouve os cantos dos sabiás