O dito da vez


Cquote1.svg

A explosiva descoberta
Ainda me atordoa.
Estou cego e vejo.
Arranco os olhos e vejo

Cquote2.svg
Carlos Drummond de Andrad

10 de abr de 2012

[Grécia] Manifestação após o suicídio público: "O mais importante não é manter-se vivo, mas manter-se humano"


No sábado, 7 de abril, à tarde, foi realizado o funeral de Dimitris Jrístulas, que havia se suicidado três dias antes na praça principal de Atenas, Sintagma, em frente ao Parlamento, conferindo com a escolha deste lugar e uma nota deixada por ele a natureza política de sua ação. Mais de 1.000 pessoas se despediriam de Dimitris em sua última viagem. Os participantes transformaram o funeral em uma manifestação política. Entre os slogans gritados ou escritos em faixas destacamos uma frase de George Orwell: "O mais importante não é manter-se vivo, mas manter-se humano" (foto em anexo).

Na manhã do mesmo dia houve uma passeata por quase todo o centro de Atenas. Quando a passeata estava chegando à praça Syntagma, um policial à paisana que tinha se infiltrado no ato foi descoberto pelos manifestantes, que o perseguiram e quando o alcançaram lhes deram uns sopapos e tiraram a sua jaqueta. Então eles viram que por debaixo o traste vestia o uniforme da polícia. Os manifestantes, então, tiraram o uniforme dele e penduraram em uma árvore, perto do local do suicídio público em 4 de março (foto em anexo). Outros vestuários do militar e seus acessórios foram queimados (foto em anexo).

O policial à paisana, um dos muitos rufiões do Regime, foi vaiado e recebeu uns tapas e socos, antes de empregar uma fuga com outros pretorianos (fotos em anexo). Lembramos que o chamado Ministro de Proteção do Cidadão (ou melhor, do Sistema) havia dito: "A instituição da polícia secreta nas manifestações já não existe mais. Se você encontrar tais policiais, tire-os com uma pinça". Ao parecer, os manifestantes atenderam ao ministro, mas apenas em parte. Desta vez, eles apenas penduraram o uniforme deste pretoriano...

Após o fim da passeata, um manifestante se aproximou de um carro patrulha da polícia que estava parado no fundo da praça e tentou pichar algo sobre ele. Então, em seguida, o carro arrancou de repente e atingiu o manifestante. Outros manifestantes que estavam perto do carro começaram a chutar o carro e espalhar um spray no motorista.

Outra manifestação estava programada para domingo, 8 de abril, às 18h, em Atenas, na praça Syntagma, no ponto do suicídio.



agência de notícias anarquistas-ana

Lua crescente.
Onde está a outra parte?
Derramou no mar.
Rafael Medeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

dizeres

JUSTIÇA

JUSTIÇA

Agora uma fabulazinha

Me falaram sobre uma floresta distante onde uma história triste aconteceu no tempo em que os pássaros falavam, os urubus bichos altivos mas sem dotes para o canto resolveram mesmo contra a natureza que havia de se tornar grandes cantores.
Abriram escolas e importaram professores, aprenderam


mi

sol

si
Encomendaram diplomas e combinaram provas entre si para escolher quais deles passariam a mandar nos demais a partir daí criaram concursos, inventaram títulos pomposos, cada urubuzinho aprendiz sonhava um dia se tornar um ilustre urubu titular afim de ser chamado por vossa excelência.
Passaram-se décadas arte que a patética harmonia dos urubus maestros foi abalada com a invasão da floresta por canários tagarelas, que faziam coro com periquitos festivos e serenatas com sabiás. Os velhos urubus encrespados entortaram o bico e convocaram canários e periquitos para um rigoroso inquérito:
cade os documentos de seus concursos?
Indagaram, e os pobres passarinhos se olharam assustados... Nunca haviam freqüentado escola de canto pois o canto nascera com eles.
Seu canto era tão natural que nunca se preocuparam em provar que sabiam cantar naturalmente cantavam
Não, não, não assim não pode, cantar sem os documentos devidos é um desrespeito a ordem, bradaram os urubus.
E em um nisoro expulsaram da floresta os inofensivos passarinhos que ousavam cantar sem alvarás...

Moral da história: em terra de urubus diplomados não se ouve os cantos dos sabiás