O dito da vez


Cquote1.svg

A explosiva descoberta
Ainda me atordoa.
Estou cego e vejo.
Arranco os olhos e vejo

Cquote2.svg
Carlos Drummond de Andrad

3 de jun de 2012

[Brasil] I Festival do Filme Anarquista e Punk de São Paulo


Comunicado:

Com a iniciativa da Editora e Distro Anarcopunk Imprensa Marginal/Anarco-Filmes e da Do Morro Produções, dois grupos de São Paulo envolvidos com a produção audiovisual libertária na atualidade, surge a proposta da realização do I Festival do Filme Anarquista e Punk de São Paulo. A proposta é que, em dezembro deste ano, a primeira edição do festival reúna a exibição de filmes e documentários recentes produzidos por anarquistas e punks ou com temática ligada a questões sociais libertárias diversas, bem como realização de debates, palestras, oficinas e exposições sobre a produção audiovisual libertária no mundo. A data e local ainda serão definidos.

Estamos abert@s a propostas de atividades, parcerias e intervenções, se você tiver uma ideia, basta nos escrever!

festival@anarcopunk.org | Caixa Postal 665 CEP 01032-970 São Paulo/SP – Brasil

Sobre o envio de filmes para o festival:

1) O envio de filmes (em DVD) poderá ser feito até o dia 01 de outubro (data máxima de postagem).
2) Caso você tenha interesse em participar, envie o formulário abaixo preenchido para o email festival@anarcopunk.org, para que possamos iniciar os contatos.
3) Serão aceitos filmes produzidos em todos os formatos de captação e de quaisquer gêneros (documentário, animação, ficção, etc.), desde que tenham como temática ou pano de fundo questões relativas ao anarquismo, lutas sociais libertárias/anti-autoritárias/apartidárias/autônomas/populares e expressões/movimentações punks e contra-culturais libertárias.
4) Daremos preferência aos filmes produzidos de forma independente e que tenham sido produzidos nos últimos anos.
FORMULÁRIO DE PARTICIPAÇÃO
(Preencha e envie para nosso email de contato)
* Nome d@ Proponente:
* Grupo/Coletivo/Projeto:
* Email de contato:
* Endereço para contato:
* Título do filme:
* Sinopse:
* Gênero (documentário, ficção, animação, etc):
* Ano de produção:
* Realizador@s do filme:
* Formato de captação:
* Duração (com os créditos):
* Idioma original:
Caso o idioma original não seja o português:
* Possui legendas?
* Em quais idiomas?
* Há possibilidade de tradução ou legendagem para o português ou envio da lista de diálogos?
* O filme foi produzido:
(  ) de forma independente
(  ) com auxílio de edital ou apoio institucional
(  ) outros:

agência de notícias anarquistas-ana



Tudo o que restou
Dos sonhos dos guerreiros
Capim de verão.
Matsuo Bashô

Nenhum comentário:

Postar um comentário

dizeres

JUSTIÇA

JUSTIÇA

Agora uma fabulazinha

Me falaram sobre uma floresta distante onde uma história triste aconteceu no tempo em que os pássaros falavam, os urubus bichos altivos mas sem dotes para o canto resolveram mesmo contra a natureza que havia de se tornar grandes cantores.
Abriram escolas e importaram professores, aprenderam


mi

sol

si
Encomendaram diplomas e combinaram provas entre si para escolher quais deles passariam a mandar nos demais a partir daí criaram concursos, inventaram títulos pomposos, cada urubuzinho aprendiz sonhava um dia se tornar um ilustre urubu titular afim de ser chamado por vossa excelência.
Passaram-se décadas arte que a patética harmonia dos urubus maestros foi abalada com a invasão da floresta por canários tagarelas, que faziam coro com periquitos festivos e serenatas com sabiás. Os velhos urubus encrespados entortaram o bico e convocaram canários e periquitos para um rigoroso inquérito:
cade os documentos de seus concursos?
Indagaram, e os pobres passarinhos se olharam assustados... Nunca haviam freqüentado escola de canto pois o canto nascera com eles.
Seu canto era tão natural que nunca se preocuparam em provar que sabiam cantar naturalmente cantavam
Não, não, não assim não pode, cantar sem os documentos devidos é um desrespeito a ordem, bradaram os urubus.
E em um nisoro expulsaram da floresta os inofensivos passarinhos que ousavam cantar sem alvarás...

Moral da história: em terra de urubus diplomados não se ouve os cantos dos sabiás